15 de Junho, 2024

Origens, guerras e percursos duvidosos dos novos deputados do Chega 

CAUSAS | Contra a extrema-direita

Agora são 11 ao lado do Ventura. Amigos e apoiantes que já vêm de outros apoios desde o MDLP, ao CDS-PP, ao PSD, ao Pró-Vida/Cidadania e Democracia Cristã e à Nova Democracia.

Uns ligados ao imobiliário, outros à Opus Dei, outros ainda às atividades empresariais nebulosas. Ai estão eles para lançar Fake News, atividade de que são especialistas e ainda para dar o peito ao touro imaginário, porque são forcados da mentira e do discurso do ódio.

Vamos acompanhar os seus passos e procurar fazer chegar a quem votou neste bando ameaçador da democracia, quem são e o que realmente desejam para o país.

Fácil verificar no painel a concepção de igualdade de género que prevalece no Chega. Alguns de entre eles dirão “Mas o que é que aquela rapariga está ali a fazer?”.

Os 10 machos e a cinderela

Os nomes

Algumas ligações para informações exteriores ao artigo remetem para conteúdos aos quais os nomes selecionados estão ligados. É o caso de Pedro Santos Frazão que produz conteúdos para sites de notícias falsas e da extrema-direita. Também Rita Matias esteve ligada ao partido Pró-Vida/Cidadania e Democracia Cristã até à sua extinção (com posterior entrada dos seus aderentes no Chega).

Denunciar apenas, não será suficiente

Por outro lado a abordagem à nova realidade, que nos revela que mais de 300.000 eleitores portugueses votaram num partido com características vincadamente anti-democráticas, com posições xenófobas e racistas e que sendo populista de direita e de extrema-direita, deve merecer da parte de todos os antifascistas e democratas uma reflexão que resulte numa resposta à interrogação: qual é a forma mais eficaz de combater a extrema-direita atendendo à expressão objetiva de uma corrente que lhe é favorável na sociedade portuguesa?

O debate sobre esta questão crucial pode ser desenvolvido aqui nas páginas do SEM FRONTEIRAS que assumiu desde sempre a sua vocação informativa e opinativa contra a extrema-direita em Portugal e na Europa.

Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.