19 de Julho, 2024

Memórias da ditadura portuguesa revisitadas em livro

Uma edição bilingue com tradução de Paulo Teixeira, prefácio de José Pacheco Pereira e conceção de Daniel Bastos

Na passada sexta-feira (12 de abril), foi apresentado em Lisboa o livro Memórias da Ditadura – Sociedade, Emigração e Resistência”.

A obra, concebida pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio fotográfico inédito de Fernando Mariano Cardeira, antigo oposicionista, militar desertor, emigrante e exilado político, foi apresentada na Associação 25 de Abril.

Daniel Bastos, Fernando Mariano Cardeira, Manuel Pedroso Marques e Paulo Teixeira na mesa de apresentação do livro – ©Marques Valentim

A sessão de apresentação, que encheu o auditório da Associação 25 de Abril, esteve a cargo do militar, antigo exilado político e presidente da RTP, Manuel Pedroso Marques, que enalteceu o percurso de vida de Fernando Mariano Cardeira na defesa dos ideais da liberdade e da democracia. Segundo o mesmo, o livro dado agora à estampa, no ano em que se assinala meio século da Revolução dos Cravos, assume-se como um importante contributo e testemunho histórico para se conhecer o país como era há 50 anos.

Refira-se que nesta nova obra, uma edição bilingue (português e inglês) com tradução de Paulo Teixeira e prefácio do investigador José Pacheco Pereira, realizada com o apoio institucional da Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril, Daniel Bastos revela o espólio singular de Fernando Mariano Cardeira, cuja lente humanista e militante teve o condão de captar fotografias marcantes para o conhecimento da sociedade, emigração e resistência à ditadura nos anos 60 e 70.

Através das memórias visuais do antigo oposicionista, assentes num conjunto de centena e meia de imagens, são abordados, desde logo, as primeiras manifestações do Maio de 1968 em Paris, acontecimento icónico onde o fotógrafo engajado consolidou a sua consciência cívica e política. E, com particular incidência, o quotidiano de pobreza e miséria em Lisboa, a efervescência do movimento estudantil português, o embarque de tropas para o Ultramar, os caminhos da deserção, da emigração “a salto” e do exílio, uma estratégia seguida por milhares de portugueses em demanda de melhores condições de vida e para escapar à Guerra Colonial nos anos 60 e 70.

Nascido já depois da Revolução de Abril, e com vários livros publicados no domínio da História e da Emigração, o percurso do historiador Daniel Bastos tem sido alicerçado no seio das comunidades portuguesas. Fernando Mariano Cardeira nasceu em 1943, depois de uma trajetória marcada pela deserção, emigração e exílio, o antigo oposicionista regressou a Portugal após a Revolução dos Cravos, presidindo à Associação Movimento Cívico Não Apaguem a Memória-NAM.

Saliente-se que a edição do livro se deve em grande parte ao mecenato de empresas que partilham uma visão de responsabilidade social e um papel de apoio à cultura, sendo que ao longo do ano estão previstas várias sessões de apresentação da obra noutros espaços do território nacional e da Diáspora.

Galeria ©Marques Valentim

Fonte: Daniel Bastos

Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.