22 de Junho, 2024

DOSSIÊS SF | TRL – TERRAS DE RESISTÊNCIA E LUTA – N1 Janeiro 2022 | Marinha Grande

Alunas e alunos da Marinha Grande escrevem para o SEM Fronteiras. Hoje é a vez da Maria Rodrigues que avalia o impacto dos acontecimentos ocorridos na Marinha Grande em janeiro de 1934 questionando ainda as atitudes de desprezo pelo legado histórico da revolta e a necessidade imperiosa de ela ser mais conhecida por todos.

Maria José da Silva Rodrigues

12ºH – Marinha Grande

Após ler os diversos artigos do Sem Fronteiras sobre o 18 de janeiro de 1934 e de assistir ao Conta-me como foi na ESEACD, encontro-me aqui, de frente para o teclado, a interrogar-me: o que mais há para dizer deste tão especial evento?.

Já foram muito bem explicados os antecedentes, as causas, o durante e as consequências. Ainda assim, neste contexto, posso resumir que, como sustentava Marx, a sociedade evolui através de revoluções (luta de classes).

No 18 de janeiro não se evoluiu grande coisa, não havia apoio nem planeamento suficiente. No entanto aquelas poucas horas de revolta foram essenciais para deixar no fundo da alma a esperança de um país melhor, que veio ao de cima a 25 de abril de 1974. Ou seja, se estivermos descontentes, devemos sempre reivindicar o que queremos.

Cito até Pedro Correia: desconfiem! Devemos desconfiar do que nos é imposto e estar sempre ao corrente do que se passa à nossa volta. Portanto, o 18 de janeiro de 1934 ensinou-me sobretudo que quando se quer algo diferente do que existe, temos de:

  • primeiro saber como mudar;
  • ter como mudar e,
  • por fim, mudar.

Para além disto, tenho pena da falta de conhecimento que as pessoas da zona têm sobre esta insurreição. Lá está, não desconfiam. Eu própria não tinha conhecimento do que se tinha passado realmente e nem dava a importância merecida.

O 18 de janeiro foi tanto, mas ao mesmo tempo tão pouco. Pode não ter sido o que era suposto, mas as suas marcas foram fundamentais para o regime que vivemos hoje em dia, mesmo que pareçam poucas ou pouco importantes a nível nacional.

Fotos cedidas por Sandra Veiga

Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.