15 de Junho, 2024

Jovens trabalham as memórias da repressão e das perseguições em Escodra

MUNDO | DOSSIÊ Albânia Hoje (4) – 18 de julho 2022 | Reportagem SF ©carlosribeiro

O Centro de Juventude fervilhava de agitação. Os movimentos entre o palco e as áreas de exposição nos corredores não cessavam, nem por um instante. Os preparativos estavam concluídos mas, como é habitual nestas circunstâncias, há sempre algo de última hora para tratar e resolver. A sessão pública que irai ter lugar dentro de minutos, para além das delegações da Croácia, Bulgária, Itália e Portugal, contava com a presença do vice-presidente da Câmara e de outros convidados. Os jovens estudantes e frequentadores do Centro da Juventude – Atelier iam agora conduzir o barco, claro contando com o apoio da Hasna e da Mirza, as coordenadoras das atividades do projeto PEOPLE em Escodra.

Que trabalhos de preparação teriam realizado os jovens presentes e que temas iriam eles partilhar com os presentes no Atelier, num fim-de-tarde anormalmente agitado na área central da cidade?

Trabalhos de preparação

As respostas iriam ser encontradas ao mesmo tempo que o Programa avançava e revelava o empenho das dezenas de jovens comprometidos com o projeto.

  • Em primeiro lugar importa destacar a investigação que realizaram em pequenos grupos que implicou a recolha de dados e organização da informação disponível nas instituições científicas e culturais do município.
  • Em segundo lugar realizaram visitas a museus e outros espaços significativos dos temas abordados, com destaque para o tópico das perseguições religiosas.
  • Em terceiro lugar organizaram textos poéticos, de autores como Simon Pepa, Arshi Pipa (1947), Father Zef Pllumi (entre outros) para ler, declamar, recitar, em alguns casos acompanhados por uma música que escolheram.

Foi um recital de palavras, de música e de emoções que a energia dos protagonistas, particularmente jovens, transformou em magia.

Filme

A coordenação do projeto na Albânia divulgou na sessão pública um filme com as principais referências à opressão religiosa no país, com dados sobre os equipamentos religiosos destruídos e aqueles que foram readaptados para outras funções como foi o caso da Catedral de Escodra que serviu de Pavilhão desportivo durante anos.

A complexidade

Tommaso, o professor que acompanha em Forli os estudantes italianos que estão envolvidos neste projeto de trabalho colaborativo, chamou à atenção para a necessidade de tratar os temas que estão a ser debatidos e investigados de uma forma profunda, atendendo à complexidade dos contextos e também da tentação em simplificar os aspetos históricos e sociais para realizar uma condenação que satisfaz o desejo de não voltar a viver situações similares no futuro.

O contributo da AEP61-74

Nas intervenções de enquadramento do pequeno filme projetado na sessão sobre temas de cada um dos países participantes, todos os parceiros emitiram opiniões e ideias sobre as experiências que estavam a viver nos respetivos países.

A intervenção da AEP61-74 teve por base três palavras-chave: Memórias, Totalitarismo e Democracias.

Memórias

Sobre as memórias recordou-se que os processos de rememoração são baseados em reconstruções do passado a partir de critérios que são selecionados em função de interesses e objetivos do presente e por vezes do futuro. Devem ser na medida do possível contextualizados com elementos de natureza objetiva e serem associados a abordagens coletivas que os mecanismos de storytelling podem facilitar.

Totalitarismo

Quanto ao totalitarismo, admitiu-se que deveria ser mencionado de forma mais premente para categorizar o autoritarismo que vigorou anos a fio em nome das bases ideológicas que o comunismo e o socialismo legaram ao universo político, cultural e social no mundo. Poetas, escritores, intelectuais brilhantes e pensadores do desenvolvimento das sociedades modernas estiveram associados a estes conceitos que sempre ligaram a um mundo mais justo e melhor. O debate sobre o Estado Totalitário na versão do partido único que pretende substituir-se à própria sociedade continua a ter todo o sentido porque às tantas o modelo estalinista, uma abordagem diferente do Estado Totalitário fascista, terá tido várias aplicações e outras versões, tudo o indica na Albânia com um pendor nacionalista.

Democracias

Por sua vez a democracia aqui abordada no plural não pode ser considerado um sistema perfeito para a organização da vida em conjunto de forma adequada. Os imperativos democráticos do pluralismo, das instituições representativas, da separação de poderes (característica do Estado de Direito), dos direitos fundamentais como a liberdade de expressão, de culto, de direitos políticos, entre outros, devem ser considerados básicos e essenciais, mas a luta pelo aperfeiçoamento das democracias para que combinem de forma cada vez mais dinâmica os mecanismos representativos com os participativos devem ser uma prioridade. Só sistemas de governação fortemente participativos poderão impedir o sucesso dos mais recentes ataques aos sistemas democráticos representados pelos novos populistas.

A exposição e os debates

Um dos espaços mais vivos da jornada, em matéria de apresentações e debates, foi a área de Exposição dos POSTERS dos cinco parceiros do projeto.

Foram os jovens que apresentaram os diversos temas e a polémica instalou-se a par de perguntas e respostas dadas a quente e nem sempre aceites de forma imediata pelos presentes.

Uma coisa é certa os tópicos que são objeto de trabalho e de aprofundamento por parte de todos os parceiros do projeto estão a ganhar com a participação direta dos mais jovens que querem ser ativos nesta iniciativa que ainda vai ter dois momentos cruciais no seu percurso: Forli (Itália) em princípios de outubro e Marinha Grande, em finais de outubro do corrente ano.

Video “Meeting Shkodra”

Vídeo e fotos © CR/ Caixamedia

Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.