18 de Junho, 2024

Dudelange, sessão de apresentação do livro Exils au Féminin [2]

ROTA EUROPEIA – O debate sobre a publicação teve por tema central as migrações

Na sede do CDMH-Centre de Documentation des Migrations Humaines em Dudelange, no primeiro dia do programa luxemburguês, o ambiente acolhedor deixava antecipar uma sessão marcada pela proximidade e pelo diálogo. Presentes na sala vários amigos e colaboradores do Centro de Documentação e diversas instituições da cidade que acabariam por tomar a palavra e de apresentar projetos, iniciativas e atividades principalmente relacionadas com as migrações.

CDMH – Dudelange

Dan Biancalana, Presidente da Câmara

O Presidente da Câmara local, Dan Biancalana, eleito pelo LSAP-Partido Socialista dos Trabalhadores do Luxemburgo, que é também co-líder nacional do LSAP, inaugurou a sessão com uma intervenção que deu nota das políticas públicas para com as migrações e as preocupações com a coesão social.

Numa abordagem ainda mais específica às diversas questões operacionais que se colocam no apoio aos imigrantes na região também interveio Marie Harlange, supervisora do Centro de Acolhimento de Dudelange do Serviço de Migrantes e Refugiados da Cruz Vermelha Luxemburguesa.

Marie Harlange, Cruz Vermelha

“Agradeço calorosamente por nos acolherem neste evento muito especial. O meu nome é Marie Harlange, sou educadora especializada e trabalho no Centro de Acolhimento de Dudelange do Serviço de Migrantes e Refugiados da Cruz Vermelha há mais de cinco anos. Fornecerei alguns números e informações sobre a situação das mulheres alojadas em Dudelange, respectivamente nos locais da Route de Volmerange, perto da fronteira francesa e na rue Auguste Liesch, no Cottage Hotel. Depois terei o prazer de vos ler o resumo das entrevistas que realizámos com alguns deles para esta sessão.

Atualmente estamos a dar apoio a 40 mulheres no conjunto das duas estruturas mencionada. São de origem síria, iraniana, ucraniana, eritreia, arménia e argelina.

Marie Harlange da Cruz Vermelha-Dudelange

À procura de proteção internacional

Estas mulheres, tal como centenas de outras no Luxemburgo, procuram aqui protecção internacional ou temporária, um estatuto jurídico cujo tempo de procedimento varia agora de alguns meses a alguns anos. Uma vez obtido este estatuto, adquirem os mesmos direitos e deveres que qualquer ouyto cidadão luxemburguês. Durante vários anos, especialmente devido à crise habitacional, foram obrigados a permanecer alojados nos nossos centros de acolhimento durante vários anos, três, quatro ou mesmo cinco anos.

A sua situação profissional e pessoal nem sempre lhes permite um acesso rápido ao trabalho e à habitação, eles e as suas famílias permanecem alojados em centros de acolhimento apoiados por ONG localizados em todo o país e cujas condições de acolhimento são coordenadas pelo Gabinete Nacional de Acolhimento, um serviço de o Ministério da Família, Solidariedade, Coes\ao e Acolhimento.

Ouvir sem julgar

Por vezes necessitam de ajuda administrativa diária, noutras de atividades de lazer, criativas ou educativas, e ainda noutros momentos de um ouvido atento que, sabem, será capaz de ouvir sem julgar.

Ouvir histórias difíceis é claro, mas sobretudo discursos de força sobre-humana, resiliência, sede de vida e liberdade.

Histórias de dias felizes numa praia síria, tradições de batismo na Eritreia, festas à fantasia na Ucrânia, pratos e aromas do seu país. É claro que eles não estão aqui por vontade própria, mas têm muito para compartilhar. Vindo de contextos socioculturais muito diferentes, o seu ponto comum é a fuga forçada do seu país natal, devido a conflitos armados, inseguranças, violência de género ou mesmo deslocamentos em massa de populações.

Quarenta mulheres

Alguns chegaram sozinhos, muitas vezes deixando pais, marido e filhos do outro lado do mundo, outros chegaram com uma família unida. Alguns descodificam os nossos princípios e a nossa moral e adaptam-se facilmente à vida europeia em poucas semanas. Para outros, a falta de marcas e a lacuna nas tradições continuam a ser elementos sensíveis que retardam a sua integração e a sua felicidade, apesar da segurança e do conforto do Luxemburgo. Tal como as autoras aqui presentes, estas 40 mulheres têm uma história para contar, partilham convosco esta noite algumas das suas histórias de vida e dos seus sentimentos no Luxemburgo.

Sinto falta do amor

Uma mãe solteira com duas filhas explica: “o que gosto no Luxemburgo é a limpeza e também a educação, as pessoas são simpáticas comigo. O problema é a habitação. Há muita espera e não temos soluções. É claro que há muitas coisas de que sinto falta da Síria, mas a primeira é o amor, diz ela rindo. Não é fácil fazer tudo sozinho aqui entre os filhos e o resto gostaria de ter ajuda para me apoiar”.

Só não gostei dos primeiros dias

Outra senhora, que veio com a família composta por marido e cinco filhos, disse:

“No Luxemburgo existem serviços muito bons, por exemplo educação e saúde, é muito bom. Aqui também gosto da natureza, nos sentimos bem. O que não gostei foi da nossa receção nos primeiros dias. Ficámos com minhas filhas num centro com quartos sem janelas e as casas-de-banho estavam distantes e externos. As minhas filhas fizeram xixi antes de chegar à casa-de-banho.. Elas tiveram pesadelos e choraram muito. Foi muito difícil. Também há alojamento, estou no centro de acolhimento mas não temos verdadeira privacidade com a minha família, gostaria de alojamento próprio. O que sinto falta é da minha família.

A minha irmã e a minha mãe estão na Síria e na Turquia, sinto muita falta delas».

Luxemburgo, uma segunda casa

Continuo com o testemunho de outra mãe que fica com o marido e quatro filhos: “O Luxemburgo é para mim como se fosse a minha segunda casa, sentimo-nos bem lá, sinto-me segura, o que não acontecia no meu país. As primeiras semanas foram difíceis mas agora estou a habituar-me à vida aqui, às pessoas, às novas regras. Sinto que talvez seja mais fácil para mim porque também sou cristã e tive os mesmos feriados no meu país, acho que é mais difícil para pessoas que têm uma religião e uma cultura completamente diferente.

Eu sinto-me bem. Gostaria de ingressar na universidade e aprender uma nova profissão, quero me sentir útil à sociedade, como sempre fiz no meu país sendo professor.

O que é menos fácil é a língua, não saber francês atrapalha muitas coisas e sofro um pouco com isso. Uma coisa que também sinto falta, você pode achar bobagem, mas é o meu pão local. Nunca encontrei aqui e é muito difícil fazer sem os ingredientes certos”, disse Madame rindo.

Por fim, no último ouvi uma jovem que veio sozinha para o Luxemburgo e deixou os dois filhos com a família no seu país de origem:

“O ponto mais importante é a segurança, tenho a impressão de que posso fazer o que quiser, que sou livre para criar e empreender. Estou também muito grato pela ajuda de todos no Luxemburgo, das equipas sociais, dos meus professores, dos médicos, todos me apoiaram desde a minha chegada. Sei que eles sempre estarão lá para me ajudar se eu precisar.

O que não gosto é da situação habitacional. Gosto do Centro de Recepção mas gostaria de ter meu próprio espaço. Sinto uma falta enorme de não ver meus filhos, sinto-me impotente mesmo sabendo que estou fazendo o possível para trazê-los para cá. Gostaria de acrescentar uma frase à minha colega de quarto, uma senhora que considero minha irmã, embora as nossas culturas sejam opostas. Temos um vínculo forte e ajudamo-nos muito. Gostaria de falar a mesma língua que ela para poder confiar mais, mas fora isso a nossa relação é muito bonita. Tenho sorte de conhecê-la.”

É com as suas palavras que agradeço por me ouvirem e obviamente agradecemos à organização pelo convite. Parabéns mais uma vez aos autores pelo seu trabalho” concluiu Marie Harlange.

Please follow and like us:
Pin Share

Editor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Follow by Email